Cuidados com os idosos em condomínios

Como manter os cuidados e a convivência em dia com os idosos em condomínios

No Brasil, o número de idosos tem crescido a cada ano e com eles as necessidades de adaptações físicas e também de comportamento adequado com este público.

Como a população brasileira tem modificado de forma rápida, diversos segmentos tem apostado em produtos, serviços e construções cada vez mais adaptados para eles.

No caso da construção civil, é possível perceber um crescimento em empreendimentos acessíveis não só para os idosos, mas também para pessoas que possuem necessidades especiais de diversos tipos, independente da lei de acessibilidade NBR 9050, de 2004.

Esta lei não tem especificidade apenas para os idosos. O principal objetivo dela é que a configuração do espaço em empreendimentos seja adequada para todos. As edificações construídas antes de 2004 não foram projetadas com estas configurações e os condomínios têm feito diversas modificações como a instalação de corrimãos em escadas, rampa de acesso, piso antiderrapantes, barra de apoio em banheiros e saunas, portas com a medida correta para todos, elevadores adaptados etc.

Outro ponto que também deve ser verificado é o treinamento adequado para os funcionários do condomínio para lidar com os idosos. Muitas vezes este público precisa de ajuda e nem sempre os funcionários estão preparados para lidarem com as diversas situações que podem surgir no dia a dia.

O síndico precisa estar atento quanto ao tratamento recebido entre as duas partes no condomínio. No caso do idoso, o ideal é saber se ele está sendo bem tratado pelos funcionários e qual seriam as possíveis mudanças que deveriam ser realizadas para melhor atendê-los. Já com os funcionários, é preciso verificar a forma em que os idosos também os tratam. Existem situações em que os idosos não desejam ajuda e acabam muitas vezes sendo grosseiros com os funcionários do condomínio, causando desconforto e desmotivação em todos.

Para essas situações, cabe ao síndico conversar com o idoso e orientá-lo que a gentileza e o respeito são sempre bem-vindos. Persistindo o comportamento inadequado, o idoso pode até ser acionado na justiça por dano moral e assédio. A orientação correta é sempre a melhor saída.

Veja abaixo outras dicas importantes para melhorar os cuidados e a convivência com os idosos em condomínios:

– Convidar os idosos a participarem das reuniões no condomínio; – Orientá-los quanto a problemas com barulhos fora do horário de silêncio. Ex. Evitar arrastar móveis, bater a bengala muito forte no piso, excesso de volume em TV e rádio etc.;

– É obrigatório ter no mínimo um funcionário treinado para primeiros socorros no condomínio (Norma Regulamentadora NR-7); – Para idosos que residem sozinhos, o síndico deverá manter os contatos da família sempre atualizados para casos de urgência;

– Organizar as vagas de garagem de forma a facilitar o acesso do idoso. Para um melhor acordo com os outros condôminos, o ideal é a discussão do assunto em assembleia de condomínio;

– Oferecer atividades voltadas para este público dentro do condomínio como: áreas para caminhadas e passeios, aulas de hidroginástica, disponibilização de equipamentos de ginástica e também mesas para jogos de cartas etc. Este assunto também deverá ser tratado em assembleia de condomínio, pois pode haver custos diversos e o ideal é que todos participem da decisão.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *