A importância da prevenção do Aedes Aegypti nos condomínios

Como prevenir o Aedes Aegypti nos condomínios

Estamos vivendo um surto de dengue em todo o Brasil e a luta contra a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, que também transmite o Zika vírus e a Febre Chikungunya, deve ocorrer todos os dias. Os casos de dengue registrados no país em 2015 foram altos. Em alguns estados, o registro de casos ultrapassou o ano de 2014. A duração de vida do mosquito é de até 35 dias e durante este período ele não percorre mais do que 600 metros. Ou seja, na maioria de casos registrados da doença, as pessoas infectadas sofrem a picada dentro de suas próprias residências.

Para que o mosquito não se prolifere, a conscientização de toda a população quanto à higiene é muito importante. É preciso estar atento e sempre separar alguns minutos da semana para a fiscalização correta dos possíveis locais de existência do foco do mosquito.

Para quem reside em condomínios à atenção deve ser redobrada. O papel do síndico ou da administradora de condomínio se torna também essencial, pois, eles serão os responsáveis pela organização e levantamento das devidas informações para a limpeza de todo o condomínio e também para alertar a todos os condôminos e a equipe de limpeza da importância de sua participação no processo.

A prioridade de limpeza nos condomínios deverá começar sempre pelos vasos de plantas, nas áreas comuns, piscinas, fontes e em todos os locais onde a água possa ficar parada. É importante manter a frequência semanal de verificação, levando em consideração o ciclo de vida do mosquito. O objetivo é que os respeitem as orientações e os vizinhos, impedindo a proliferação em sua unidade e em todo o condomínio.

Em caso de desrespeito das orientações é preciso alertar o síndico ou a administradora de condomínio com discrição sobre o problema. Para este caso, a atitude mais adequada é a notificação do condômino de forma direta e sigilosa. De qualquer forma, a colaboração de todos é importante no combate a dengue e para que não aumente ainda mais os casos das doenças causadas pelo Aedes Aegypti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *