Quais são os cuidados em condomínios diante do coronavírus?

Quais são os cuidados em condomínios diante do coronavírus?

O coronavírus pegou toda a população de surpresa, e agora é necessário que todos adequem suas rotinas às melhores práticas de prevenção para evitar o contágio e a disseminação da doença dentro de casa e nos espaços comuns.

Os cuidados em condomínios diante o coronavírus precisam ser rigorosos. Afinal, nesses espaços acontece um grande volume de circulação de pessoas.

É papel do síndico estabelecer, portanto, as boas práticas para garantir a segurança dos moradores e funcionários, e se certificar de que todos estão seguindo corretamente essas orientações.

O que é o coronavírus?

O coronavírus é um tipo de vírus responsável por causar infecções respiratórias. O COVID-19, vírus contra o qual estamos lutando recentemente, é uma variação do coronavírus e teve seu primeiro caso descoberto em 31/12/2019, na China.

Ao contrário do que muitos pensam, coronavírus não é o nome da doença. É o nome do tipo de vírus que aflige a população.

Já existiram em outros momentos outros vírus do tipo corona. A primeira vez em que aconteceu foi em 1937, mas seu nome só foi definido dessa maneira em 1965, quando finalmente foi possível visualizá-lo pela microscopia, e identificado que possui um formato que se assemelha à uma coroa.

É natural que a grande parte da população mundial, em algum momento da vida, se infecte com algum tipo de vírus corona. Existem doenças mais brandas e que muitas vezes passam até despercebidas causadas por esse tipo de vírus. 

O COVID-19, infelizmente, é uma doença mais severa em determinados grupos de pessoas e que pode, inclusive, levar a óbito. Por isso, é fundamental que todas as medidas de prevenção sejam seguidas com seriedade.

Como o coronavírus é transmitido?

As formas de transmissão do coronavírus são variadas, e ainda existem pesquisas para ter certeza sobre como cada uma delas funciona. 

As recomendações de distanciamento entre pessoas são devido à possível contaminação por gotículas respiratórias, perdigotos ao falar ou contato direto.

Dentre as formas de disseminação, está comprovado que a troca de fluidos corporais de qualquer espécie pode ser uma forma de transmissão, tanto pelo ar quanto pelo contato direto:

  • espirros;
  • gotículas de saliva;
  • contato pessoal próximo, como aperto de mão ou toque;
  • catarro;
  • tosse;
  • contato com superfícies contaminadas ou objetos e, em seguida, contato com mucosas, como olhos, boca ou nariz.

É importante pontuar que a incubação do vírus acontece de cinco a doze dias, período em que os infectados se mantêm assintomáticos até que a infecção realmente apareça.

Existem algumas pesquisas que mostram que a transmissão do vírus acontece em média após sete dias do início dos sintomas. Mas, ainda não há certeza sobre esse dado: outras linhas de estudo defendem que uma pessoa assintomática também pode transmitir o vírus, mesmo sem saber que está doente.

Quais são os sintomas?

Algumas pessoas podem ficar assintomáticas por até 14 dias. Depois desse prazo, é comum que alguns sintomas apareçam, como tosse seca, cansaço e febre.

Esses sintomas muitas vezes se confundem com os de uma gripe comum, e por isso é preciso ficar atento e se isolar se algum deles aparecer.

A grande parte das pessoas, estima-se que 80%, será capaz de se recuperar sem a necessidade de tratamentos especiais e mais rigorosos. No entanto, aqueles que percebem que estão com algum desses indícios, precisam ficar mais atentos.

Os possíveis sintomas são:

  • tosse seca;
  • febre;
  • cansaço;
  • dificuldade para respirar, em casos mais severos.

O governo criou uma página com todas as informações sobre prevenção e identificação dos sintomas, que podem ser utilizadas por qualquer cidadão. Confira.

Quais são as medidas preventivas?

Devido aos meios de transmissão do coronavírus, a Organização Mundial de Saúde, OMS, estipulou algumas medidas como sendo as mais eficientes para prevenir o contágio e a disseminação do coronavírus:

  • lavar as mãos frequentemente com água e sabão, por pelo menos 40 segundos;
  • quando não for possível higienizar as mãos com sabão, usar o álcool em gel;
  • cobrir a boca ao tossir ou espirrar;
  • evitar colocar a mão nos olhos, nariz e boca sem higienizá-la ou quando estiver na rua;
  • limpar e desinfetar ambientes e superfícies com frequência;
  • caso saia para a rua, trocar de roupa e colocar as roupas usadas imediatamente para lavar;
  • evitar aglomerações;
  • evitar o uso de elevadores e, quando necessário, reduzir para no máximo três pessoas por vez;
  • manter uma distância mínima de dois metros com qualquer pessoa fora das dependências da própria casa;
  • no caso do banheiro compartilhado, ele precisa ser higienizado sempre que alguém o utilizar;
  • manter a comunicação por interfone;
  • caso alguém na casa esteja doente, separar itens de uso pessoal, como copos, talheres e pratos, por exemplo. 

Como fica o uso das áreas comuns do condomínio?

Como fica o uso das áreas comuns do condomínio?

Os espaços comuns precisarão ser limpos com muito mais cuidado, seguindo as melhores práticas estabelecidas pela OMS, Organização Mundial de Saúde.

Além disso, é importante lembrar que espaços como salão de festas, academias, piscinas e espaços gourmet precisam ser fechados para garantir que não ocorra a aglomeração de pessoas nessas dependências.

Para as medidas de segurança e higiene pessoal, é interessante disponibilizar sabonetes e alcool em gel nas áreas comuns, principalmente na entrada dos elevadores e banheiros de uso compartilhado, por exemplo.

As superfícies também precisam ser limpas com frequentes, principalmente nas áreas em que os moradores e funcionários têm mais contato: botões do elevador, interruptores de luz, maçanetas, torneiras,etc. Essa limpeza precisa ser feita com sabão, álcool e água sanitária.

As assembléias de condomínio também precisam ser evitadas. Caso haja a necessidade de realizar um desses encontros, é importante utilizar canais digitais.

Se houver algum assunto importante ou informações para reforçar as práticas de higiene pessoal e prevenção ao coronavírus nas áreas comuns, a sugestão é, além de fixar cartazes nas áreas de circulação, entrar em contato com os moradores através do uso de aplicativos de mensagens.

O home office como medida preventiva

Uma medida que foi tomada por várias empresas e que agora é uma realidade nos mais diversos mercados é o home office como prevenção para o isolamento social.

Empresas que possuem a flexibilidade para trabalhar de casa estão oferecendo aos colaboradores a possibilidade do trabalho remoto, e isso significa que profissionais diversos estarão exercendo suas profissões dentro do condomínio.

Na maior parte dos casos, isso apenas significa que alguns moradores estarão trabalhando dentro de seus apartamentos, principalmente através do uso de computadores.

Cabe ao síndico ter a atenção à possíveis problemas com energia e conexão com a internet: essas pessoas precisarão estar conectadas para seguir com suas funções, e se for de uso comum a energia e a internet do prédio ou condomínio, é necessário ter atenção a esse detalhe.

Como manter o condomínio protegido?

Como manter o condomínio protegido?

Para os síndicos, esse momento é delicado. Além de ter cuidados pessoais, é preciso estabelecer normas de segurança e boas práticas e garantir que todos os moradores e funcionários do condomínio também as sigam.

Um momento tão delicado precisa de muita atenção nas medidas preventivas, e é papel do síndico encontrar essas alternativas para manter a segurança de todos ali envolvidos.

Evitar o uso de elevadores

Evitar o uso de elevadores é uma das medidas de segurança, principalmente se ele estiver com outras pessoas. Muitos moradores e síndicos indicam o uso de escadas como sendo a opção mais segura para os moradores, evitando a aglomeração de pessoas dentro de um espaço pequeno, como o elevador.

Além disso, mesmo que com pouco uso, o elevador deverá ser limpo com cuidado diariamente, para garantir que, quando precisar ser usado, estará dentro das melhores práticas e condições de segurança.

Álcool em gel disponibilizado nas guaritas

A disponibilização de álcool em gel nas guaritas através de dispensers é uma boa alternativa. Nesses espaços, mesmo durante o isolamento social, ocorre o trânsito de várias pessoas. 

Ter esse tipo de produto disponível poderá ajudar aqueles que estão em trânsito na região e não têm a possibilidade de lavar as mãos a todo momento.

Licença remunerada para profissionais

É comum que os condomínios tenham um caixa disponível para emergências. Muitas unidades têm usado esse valor para afastar colaboradores e mantê-los remunerados.

Quando houver a necessidade de manter alguns funcionários dentro do condomínio, opte por aqueles que não estão no grupo de risco e não apresentam sintomas de nenhuma doença, inclusive gripe e resfriados.

Vizinhos ajudando vizinhos 

Uma medida que está se popularizando nos condomínios e prédios é a solidariedade entre vizinhos. Apesar da doença acometer pessoas de todas as idades, existem grupos que são, inevitavelmente, mais arriscados que outros.

Por isso, vizinhos mais novos e que estão assintomáticos têm se oferecido para auxiliar outros vizinhos em grupo de risco durante as compras, tanto de farmácias, quanto de supermercado, ajudando-os com qualquer necessidade para evitar que se exponham ao risco.

Evite obras e trânsito de pessoas

Obras e qualquer outro tipo de serviço que pode resultar na aglomeração de pessoas precisa ser evitado. Deixe para realizar esses investimentos apenas em casos de extrema necessidade.

Tudo aquilo que pode ser adiado, deve ser feito, pensando na saúde dos profissionais envolvidos e dos moradores do condomínio.

Outra medida que os condomínios têm tomado é a de evitar o trânsito de pessoas dentro do condomínio, principalmente com serviços de delivery. O que tem acontecido é a entrega na portaria do condomínio, sem que os profissionais responsáveis subam para os apartamentos.

A recomendação é que tudo o que seja recebido de fora, inclusive as compras de supermercado, sejam higienizadas corretamente antes de serem armazenadas nos armários e recipientes dentro de casa.

Informe resultados positivos

Deve ser uma política do condomínio, para garantir a saúde dos funcionários e moradores, que todos aqueles que por ventura testarem positivo, informem ao síndico.

Dessa forma, todas as medidas de segurança ou isolamento social rigoroso podem ser executadas sem prejudicar a rotina dos outros moradores. É importante abraçar o sentimento de coletividade.

Com casos positivos, o isolamento precisará ser mais rigoroso, e os outros moradores podem auxiliar nesse momento, através de compras em supermercados, farmácia e outros cuidados para evitar que os infectados saiam de suas casas.

O coronavírus é uma novidade para nós, e a cada dia que passa aparecem melhorias e aumenta a rigidez das normas de segurança estabelecidas pela OMS.

Cabe aos síndicos, nesse momento, tomarem os devidos cuidados em condomínios durante a epidemia do coronavírus para garantir que os moradores e funcionários estejam seguros.Nesse momento, em que o isolamento é necessário, as soluções tecnológicas têm sido a melhor opção para manter o condomínio bem gerido e o contato seguro com os moradores e funcionários. Por isso, conheça a melhor solução do mercado em software para condomínios e veja como ele pode te ajudar.

Gostou do texto? Não gostou? Comente abaixo!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *