Veja como cultivar uma horta comunitária em seu condomínio

Veja como cultivar uma horta comunitária em seu condomínio

Não existe coisa melhor do que se alimentar de frutas e verduras colhidas diretamente do quintal, não é mesmo? E o cheirinho das plantas e da terra molhada ao chover? Nem se fala!

O cultivo de uma horta comunitária em algum espaço do seu condomínio pode ser uma grande ideia e também uma grande oportunidade para que os moradores, especialmente as crianças, tenham um contato direto com terra e também com o processo de crescimento das plantas, frutas e verduras!

Por que ter uma horta comunitária no condomínio?

Há quem diga que o cultivo de plantas pode ser uma atividade terapêutica. Muitas pessoas se envolvem com jardinagem e hortas pelo prazer de acompanhar o desenvolvimento de cada planta.

Ter uma horta comunitária pode ajudar no desenvolvimento pessoal, na melhora do relacionamento entre os moradores e no desenvolvimento de novos hobbies.

A horta comunitária também pode ajudar a reduzir os custos no dia a dia na compra de temperos, folhas e algumas frutas.

Além disso, é uma ação de promoção à saúde, com alimentos orgânicos, saudáveis e de fácil acesso.

Para as crianças, a diversão é ainda maior: elas podem aprender a cultivar pequenas plantas, ter contato com a terra e desenvolver habilidades manuais.

Como cultivar uma horta comunitária em condomínio?

Em alguns condomínios, o cultivo da horta comunitária é feita em vasos devido à falta de espaço ou até mesmo para diminuir os custos de sua construção. Para os condomínios que desejam realizar a construção de canteiros, é preciso a adequação do espaço a ser utilizado fazendo uma impermeabilização com manta asfáltica e também adicionando terra de acordo com o que será cultivado. E existem aqueles condomínios que fazem de uma parte do seu jardim, um espaço ideal para a horta comunitária.

Convoque uma assembleia

Para a implantação do projeto de horta comunitária em seu condomínio é importante à convocação de uma assembleia de condomínio. Mesmo que não existam grandes custos para a execução do projeto, o ideal é que se discuta a proposta para que não ocorram transtornos posteriores com aqueles moradores que são ao contrário da ideia e também para que sejam discutidos os possíveis valores a serem gastos para a execução da obra.

Outro ponto importante e que também pode ser avaliado na assembleia de condomínio é quem será o responsável em realizar os principais cuidados no dia a dia com a horta comunitária como molhar, verificar a existência de possíveis pragas e também colher o que foi cultivado. Será algum morador, o jardineiro ou outra pessoa especializada no assunto? Uma ajuda que é sempre bem-vinda e que pode ser bastante agradável é a participação das crianças na manutenção da horta comunitária.

Geralmente, as crianças adoram este tipo de atividade e é uma forma de estímulo à alimentação saudável e a preservação da natureza.

Escolha o lugar adequado

É fundamental escolher cuidadosamente o lugar onde será a horta comunitária do seu condomínio. Se o espaço do condomínio for grande, essa parte será mais simples: a dica é aproveitar as áreas verdes que não possuem vegetação.

Caso não exista a disponibilidade de uma área permeável, a saída é construir canteiros com tijolos, manta impermeabilizante e terra para que o ambiente fique adequado para as plantas.

É preciso considerar também a incidência solar: algumas plantas gostam de sol direto, outras preferem a luz indireta do sol. Sendo assim, ao eleger possíveis lugares para a construção da sua horta, é preciso analisar como o sol irá se comportar naquela região e se ele permitirá que as plantas cresçam de forma saudável.

O ideal é que o solo seja preparado da seguinte forma: areia grossa, argila expandida, composto de terra com húmus ou esterco de vaca. Para plantas que serão cultivadas em vasos, o ideal é que eles tenham um furinho em cada um deles para que a água escoe da forma correta.

Considere a compostagem

A compostagem é muito interessante em condomínios. O ideal, para que a sua horta seja próspera e gere menos despesas, é utilizar adubo orgânico. Esse adubo orgânico pode ser gerado dentro do próprio condomínio através da compostagem de resíduos sólidos orgânicos, como cascas de frutas, cascas de legumes e verduras, cascas de ovos e muito mais.

Essa compostagem irá gerar chorume, um adubo orgânico riquíssimo que pode ser utilizado na sua horta sempre que necessário.

Crie regras

Para que a horta comunitária funcione da melhor forma possível, é preciso criar regras. Nesse momento, estabeleça um planejamento com as escalas de rega da horta para que não haja exagero ou falta de água.

Na época da colheita, também é interessante marcar dias e horários para que os moradores que se interessarem possam participar.

A horta também exige uma manutenção para que as plantinhas permaneçam sadias e dando frutos. Por isso, é interessante também organizar os dias de manutenção. Esses momentos podem ser interessantes tanto para cuidar da horta, quanto para fornecer oficinas e workshops para integrar a comunidade, ensinando a cuidar da horta e ajudando os moradores a desenvolverem novas habilidades.

Mas lembre-se de que a horta é comunitária, e isso significa que é interessante deixar o acesso livre caso alguém queira aproveitar algum dos alimentos.

Como escolher as plantas da horta comunitária?

Cada planta tem sua especificidade. Algumas exigem maior profundidade para crescerem. Outras, podem ser facilmente plantadas em pequenos vasos.

É preciso entender como cada uma delas se comportam para encontrar as melhores opções.

Plantas que exigem maior profundidade

As plantas mais comuns em hortas que exigem mais profundidade no plantio são: alecrim, pimentas e capim cidreira, por exemplo. No caso do cultivo em vasos, é fundamental que seja feito separadamente para que elas não invadam o espaço uma das outras.

Plantas que exigem pouca profundidade

As plantas que não exigem muita profundidade são a cebolinha, salsinha e a hortelã, por exemplo. Com exceção da hortelã, que tende a ocupar muito espaço, as outras podem ser cultivadas em pares.

Como cultivar plantas no mesmo ambiente?

Algumas plantas simplesmente não conseguem se desenvolver se estiverem sendo cultivadas com outras. Isso acontece porque algumas, por precisarem de maior espaço para crescerem, acabam invadindo o espaço das outras.

Por isso, as plantas que exigem maior profundidade precisam ser cultivadas separadamente.

O ideal, mesmo entre plantas que podem ser cultivadas no meio ambiente, é manter um espaço de segurança e respiro entre elas, garantindo que elas não se sobreponham.

Na hora de separar as plantinhas para serem cultivadas no mesmo ambiente, considere:

  • alecrim, tomilho e sálvia;
  • manjericão, anis, carqueja e sálvia;
  • manjericão, manjerona e cebolinha.

Dicas para manter sua horta comunitária sempre saudável

Além de saber quais plantas cultivar, onde criar a horta e como aprovar o projeto junto aos moradores do condomínio, alguns outros detalhes precisam ser considerados:

  • Escolha locais que recebam muitas horas de sol por dia, tendo cuidado apenas com a posição de cada planta dentro desse espaço;
  • Comece com o plantio de ervas, chás e temperos. Com o tempo, a comunidade irá pegando prática com hortas e aí sim as hortaliças são bem vindas. Afinal, elas demandam maiores cuidados e mais atenção;
  • Se a sua horta for muito grande, é preciso considerar se será necessária a contratação de um jardineiro. Se os moradores não forem ter os cuidados como molhar, tirar ervas daninhas e colher, é preciso considerar uma terceira pessoa para cuidar dessa parte, mantendo a horta saudável e próspera.
  • Não se esqueça de adubar a horta para manter a saúde das plantas. O adubo irá fornecer nutrientes valiosos para a terra, facilitando o crescimento e o desenvolvimento das plantas.
  • Fique de olho na necessidade de água: algumas plantas exigem mais água que outras. É preciso conhecer cada uma delas e criar um calendário de regagem.
  • Para garantir que as plantas se desenvolvam da melhor forma possível, separe-as em dois grupos; as que precisam de profundidade maior que 60 cm (como manjericão, louro, capim cidreira, alecrim e pimentas), e as que não precisam de tanta profundidade (como a cebolinha, orégano, salsinha, tomilho, hortelã, manjerona e coentro.).

Ter uma horta comunitária pode trazer diversos benefícios para o condomínio. Além do desenvolvimento de ações sustentáveis, como o cultivo de orgânicos e a compostagem, é um momento de cuidado, relaxamento e diversão entre todos os moradores.

Para as crianças, também será um momento de muito conhecimento: é possível, inclusive, ensinar a consumir alguns alimentos que costumam ter resistência entre os pequenos.

Com as dicas acima, acreditamos que você conseguirá ter uma horta bem estruturada e cheia de plantas saudáveis em seu condomínio.

Tem alguma dúvida sobre esse assunto? Deixe nos comentários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *